RESPEITO É BOM E EU GOSTO!!!

PROTEÇÃO DO PONTO COMERCIAL
abril 15, 2017
RESPONSABILIDADE CIVIL
abril 15, 2017

Ser advogado realmente não é para qualquer.

Ser Advogado não é somente freqüentar os bancos acadêmicos, é necessário ter DNA.

A pessoa já nasce para ser advogado e somente vai para a faculdade para aprender a teoria, a “pegada” está entranhada na sua personalidade, no seu caráter.

Quantas críticas os advogados são vítimas e até piadas que demonizam a classe, mas são facilmente esquecidas quando chega uma intimação da polícia civil, da justiça. Aí o demônio vira santo. Da Polícia Federal então!!!!!

“Não falo sem meu advogado, cadê meu advogado, ô fulano chama logo meu advogado,

Alô doutor vai demorar para chegar…”são as frases mais ouvidas quando a situação aperta.

A advocacia sempre esteve presente em todos os atos na busca da democracia e de sua preservação e por isto prestigiada na Constituição Federal como “Indispensável à administração da justiça(…)”. E em seu Estatuto (Lei Federal nº 8.906/94), “Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos tratar-se com consideração e respeito recíprocos. ”

Os direitos e prerrogativas da advocacia, assim como aqueles contemplados pelas leis orgânicas da magistratura, MP e polícia, visam a resguardar a cidadania, o jurisdicionado, o povo.

O advogado vai ao fórum para trabalhar, assim como o juiz, o promotor e também o policial.

Não há hierarquia entre advogado, juiz e promotor…mas, quem participa de audiências, de julgamentos nas cortes superiores percebem que isso não passa do papel. E o advogado continua sendo indispensável à administração da justiça.

A sociedade precisa ser conscientizada sobre a importância do advogado para a preservação de sua cidadania, ele é o instrumento para alcançar a justiça.

A advocacia não é mercadológica, a sociedade precisa dar valor ao advogado ético, que não se valha de captação irregular de clientela, como aqueles que se escondem por detrás de associações, de empresas que revisam financiamentos, revisam multas, por exemplo. Foi indicado por estas a um advogado? Procure a OAB e se informe sobre este profissional e sua conduta.

Para estes a OAB tem dispensado tratamento adequado em seus órgãos de ética, mas é necessário ficar atento para o histórico destes profissionais.

A este profissional ético, deve ser garantido honorários dignos, entendidos como uma contraprestação a um serviço técnico de excelência.

Não é mais aceitável perguntas como “o senhor pode dar uma olhada em um contrato para mim?”, “o senhor cobra consulta?”. Não, o advogado tem que ser valorizado, tem que ser respeitado. Essas reflexões são importantes para se entender que direitos e prerrogativas não são privilégios de uma ou de outra profissão, muito menos da advocacia. Para a advocacia são instrumentos para enfrentar o poder estatal, para defender o cliente, para defender o Estado Democrático de Direito. Por isto, RESPEITO É BOM E EU GOSTO!

Mozart Gramiscelli Ferreira é advogado e presidente da 4ª Subseção de Rio Claro/SP